quinta-feira, 14 de julho de 2011

Grande Amor

                                      
Grande Amor

Cleópatra Alcântara Costa Arpini - Cachoeiro do
Itapemirim - ES
Pode uma mulher esquecer-se daquele que amamenta? ... E
mesmo que ela o esquecesse, EU não te esqueceria nunca.
( Isaías 49,15)
A única filha de uma viúva deixou a sua casa num pequeno
vilarejo busca de novidades pelo mundo. Suas cartas
cessaram e sua mãe ficou sem notícias por longo tempo.
Mas o amor de sua mãe nunca faltou.
Ela foi para a cidade à procura de sua filha, visitou
todos os prováveis locais, mas sem conseguir nenhuma
pista. Colocando todo amor em ação, traçou um plano. Ela
pegou uma fotografia sua, e escreveu:Letícia, eu a
amo muito. Ela recebeu permissão para colocar a foto em
um local de onde, lembrava, já havia recebido cartas da
filha.
Não muito tempo depois, Letícia entrou no lugar, e foi
atraída por aquela fotografia na parede: É minha mãe-
ela exclamou.
E lendo as palavras, foi tomada por lágrimas. Aquele
amor da mãe quebrou seu coração. Ela retornou para sua
casa, foi recebida com muita alegria e perdoada.
Da mesma forma o amor de Deus conquista o coração do
pecador. Basta nos despojarmos de nós mesmos, deixar o
que era velho para trás e nos lançarmos nos braços de
Jesus que nos aguarda com o coração transbordando de
amor, pois Ele nos ama incondicionalmente
Não importa os caminhos que trilhamos, Jesus nos aguarda
ansioso todos os dias... Abandone-se no colo de Jesus e
permita que Jesus purifique sua casa, sua família no Seu
precioso Sangue.
Extraído do Programa
Momento de fé Programa de radio        07/12/2005

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

Instrumento de Vossa Paz


Senhor,
Fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre,
Fazei que eu procure mais consolar, que ser consolado;
compreender que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.
Amém.